Leucemia e Imunodeficiência Felina

Este tema diz respeito a duas das doenças infeciosas mais comuns nos felinos: Imunodeficiência Felina e Leucemia Felina, vulgarmente conhecidas como FIV e FelV. Ambas as doenças são provocadas por vírus (retrovírus) e estão amplamente disseminadas nos nossos felinos, inclusive em animais saudáveis.

A Imunodeficiência Felina (ou SIDA felina) é transmitida, entre gatos, através de lutas (arranhadelas e mordeduras). Uma grande percentagem dos gatos infetados, pode nunca manifestar sintomatologia clínica, o que contribui também para o aumento da disseminação da doença. É uma doença que ocorre com maior frequência em gatos machos, adultos ou idosos, e com acesso ao exterior. A Leucemia Felina, por outro lado, é uma doença potencialmente mais grave e fatal, e a transmissão ocorre, para além das lutas, através do contacto direto com saliva ou outras secreções de gatos infetados, sendo também possível a transmissão durante a gestação. É uma doença que ocorre com maior frequência em gatos jovens (até aos 6 anos de idade). Nenhuma destas doenças é transmissível para os seres humanos ou outros animais.

Em ambos os casos, os sinais clínicos que os gatos evidenciam não são específicos. Há muitos animais que são portadores mas que não manifestam qualquer sintomatologia durante meses ou mesmo vários anos. No entanto, como estes vírus atingem a medula espinal e deprimem o sistema imunitário (as defesas) do animal, começam a surgir períodos de doença recorrente, intervalados por períodos de aparente saúde. Pode observar-se nos gatos infetados: falta de apetite, perda de peso progressiva, febre persistente, pelagem em mau estado e queda de pelo, inflamação da cavidade oral (gengivite, estomatite), infeções crónicas a nível da pele, infeções respiratórias recorrentes, diarreia persistente, desenvolvimento de tumores , etc.

O diagnóstico destas doenças passa pela realização de um teste rápido, efetuado pelo médico veterinário, a partir de uma pequena amostra de sangue do gato. Recomenda-se a realização deste teste em todos os gatos que sejam recolhidos da rua (adultos ou gatinhos), gatos com acesso ao exterior, antes da primeira vacinação contra a Leucemia Felina e se o animal apresentar sinais de doença compatíveis.

A melhor e mais eficaz forma de prevenir a infeção consiste em evitar que o seu gato contacte com gatos potencialmente infetados. Isto pode garantido mantendo os animais confinados no interior das suas casas. Existe uma vacina contra a Leucemia Felina, que pode ser administrada aos gatos que têm acesso ao exterior, a partir das 9 semanas de idade. Não existe ainda qualquer vacina disponível contra a Imunodeficiência.

Se tem um gato, esteja atento a estes sinais e, em caso de dúvida, peça sempre ao seu médico veterinário para fazer o despiste destas doenças, uma vez que um diagnóstico precoce permite aumentar a esperança média de vida destes animais.

 

Daniela Moreira,

Médica Veterinária